accueil
PortuguêsFrançais
PERIODONTOLOGIA
< Voltar

A doença periodontal vai afectar numa 1ª fase os tecidos gengivais (gengivite), e ulteriormente, na ausência de qualquer tratamento, o ligamento e o osso alveolar (periodontite). Constitui actualmente a principal causa de perda de dentes no adulto, á frente da cárie dentária.

É devida a numerosos factores, tais como infecções bacterianas, problemas de oclusão, álcool, tabaco, ou ainda alterações hormonais. Uma higiene de vida, alimentar e dentária constituem também factores importantes. A doença periodontal é cíclica e evolutiva, com fases de REMISSION alternadas com fases activas, desencadeadas quando estão simultaneamente presentes vários parâmetros déclanchants, e com graus de agressividade muito variáveis.  Por esta razão qualquer paciente que já sofreu uma lesão periodontal deverá ser monitorizado regularmente, para despiste de qualquer recidiva.

O tratamento de base da doença periodontal é a destartarização, feita com curetas e/ou por ultra sons, e feito com regularidade constitui sem dúvida uma boa prevenção. Aos 40 anos considera-se que 100% de uma população ocidental sofre de problemas periodontais, no entanto só 5 a 10% dos casos apresentam lesões mais graves dos tecidos peri dentários, levando por vezes á perda dos dentes.

Se as suas gengivas têm um aspecto avermelhado, estão inchadas,  sangram ao escovar ou espontaneamente, se tem tártaro (pedra) ou mau hálito, ou ainda se os seus dentes estão sensíveis, móveis, ou se as suas gengivas apresentam uma retracção, deverá consultar o seu médico dentista com urgência.

Um diagnóstico periodontal rigoroso vai estabelecer a gravidade da doença periodontal e defenir o tipo de tratamento mais adequado. Este poderá ir de um simples alisamento radicular (raspagem das raízes dentárias sob anestesia) até uma curetagem, por vezes com um enxerto gengival ou ósseo (osso do próprio paciente ou osso sintético). Actualmente a globalidade dos tratamentos orienta-se para opções menos cirúrgicas e agressivas que pelo passado.

Em qualquer dos casos a colaboração do paciente é fundamental, nomeadamente no que á higiene e á motivação diz respeito. É unicamente com consultas regulares e periódicas que poderemos monitorizar a doença, prevenir as recidivas e casoseja necessário reorientar a terapêutica.

Pela complexidade e a grande especialização envolvidas, o paciente deverá recorrer preferencialmente a um médico dentista especialista exclusivo.